BERLIN | até 23 de janeiro de 2021 | “Voll das Leben!” por Harald Hauswald

Alemanha • Berlim • De: 1º de janeiro de 2020 • Até: 23 de janeiro de 2021

Punk, hippies e casais se beijando em um mar de carros Trabi, faixas de confronto e manifestantes na Alexanderplatz em Berlim Oriental, figuras sombrias e bêbados em festivais e bares de bairro, cidadãos obedientes à lei esperando pacientemente nas paradas: o olhar de Harald Hauswald é autêntico e terno.

Suas imagens irradiam simpatia pelos objetos e pessoas que fotografa, preservando sua dignidade e diferenciando-os da loucura e da decadência que os cercam.

O fotógrafo mostra a monotonia e lentidão da vida na Alemanha Oriental, testemunhando um mundo insular e isolado pouco antes de sua queda.

Em contraste com as imagens predominantes do Ocidente da RDA como um país definido pelo estado socialista e pela organização da Juventude Alemã Livre, pelo Muro de Berlim e arame farpado, por marchas e paradas militares, as fotos de Hauswald oferecem uma visão única e reveladora da vida socialista cotidiana , mostrando a evolução da paisagem urbana de Berlim Oriental e as atividades de grupos de oposição, artistas e subculturas juvenis.

Harald Hauswald (nascido em 1954 em Radebeul, Saxônia) é um dos fotógrafos mais eminentes da Alemanha Oriental.

Mórbido e anárquico: a fotografia de Hauswald de seu bairro natal, Prenzlauer Berg, em Berlim, 1985.

O fato de o próprio Hauswald se mover nesses círculos garantiu que ele estivesse sempre presente em suas fotos, pois ele era um participante e não apenas um observador.

Em suas viagens por Berlim Oriental e pontos obscuros na Alemanha Oriental nas décadas de 1970 e 80, ele revelou o contraste entre a vida cotidiana em cidades decrépitas e o vazio interior escondido atrás da fachada laboriosamente construída do estado comunista.

Suas fotos em preto e branco alternam entre uma intimidade encantada e divertida e um olhar nitidamente satírico e desapaixonado.

Por vinte e oito dias, dois meses e vinte e seis dias, a “barreira de proteção antifascista” conhecida como Muro de Berlim dividiu a cidade e seus habitantes em Oriente e Ocidente.

Esta exposição documenta a vida social e política das pessoas na Alemanha Oriental e mostra os desafios que surgem durante a mudança para uma Alemanha reunificada.

Como co-fundador da agência de fotógrafos OSTKREUZ, Hauswald é uma das mais importantes figuras alemãs da história da fotografia. Suas obras são inestimáveis, formando um registro visual da história de uma Alemanha dividida.

Fotografia da nova exposição e do livro ilustrado que a acompanha, de Harald Hauswald: na linha A do U-Bahn em Berlim Oriental na década de 1980.

Não apenas Prenzlauer Berg: dois adolescentes atiraram em 1984, em Radebeul, Saxônia, com um rifle de ar no Elba.

A Ostkreuz Association for Photography está trabalhando para garantir a conservação de mais de 7,500 de seus rolos de filme até o final de 2020.

6,000 imagens individuais serão digitalizadas como parte de um grande projeto financiado pela Fundação Federal para o Estudo da Ditadura Comunista na Alemanha Oriental.

Este show é a primeira retrospectiva de Harald Hauswald. Mostra cerca de 250 fotografias tiradas entre o final dos anos 1970 e meados dos anos 1990, incluindo um grande número de imagens inéditas. Suas imagens são colocadas em diálogo com o conteúdo do arquivo mantido com ele pela polícia secreta da Alemanha Oriental, a Stasi.

Nenhum outro fotógrafo da Alemanha Oriental foi monitorado tão de perto quanto ele. O conteúdo do arquivo foi contribuído por cerca de quarenta informantes (ou “colaboradores não oficiais”) entre 1977 e 1989 sob o codinome “Radfahrer” (ciclista).

Em 1985, a Stasi emitiu um mandado interno para a prisão de Hauswald com base em atividades antiestaduais, violação de regulamentos de controle de câmbio, atuação como agente e repasse de informações não confidenciais.

Hauswald era pai solteiro e, às vezes, sua filha foi retirada de sua custódia. Esta exposição é a primeira a justapor referências à história, fotografia e trabalho contemporâneos.

Uma das fotos mais icônicas de Hauswald é a "fuga da bandeira" de 1º de maio de 1987, quando uma manifestação na Alexanderplatz é destruída por tempestades e chuva.

E então tudo acabou: Volkspolizist em uma ruptura do Muro de Berlim, 1989, fotografado por Harald Hauswald.

A exposição tem curadoria de Felix Hoffmann (C / O Berlin) em cooperação com Ute Mahler e Laura Benz (Ostkreuz).

Um catálogo publicado pela Steidl Verlag acompanha a exposição.

C / O Berlim

Amerika Haus

Hardenbergstrasse 22-24

10623 Berlim

Alemanha


 

Tags:

MAIS exposições